Nossa História

Nossa História

Três valores acompanham a marca Cavaletti desde sua criação, em 1974: a qualidade, a inovação e o pioneirismo.

Desde que abriu as portas, em um modesto porão, a empresa faz questão de honrar esses valores e princípios herdados da família Cavaletti, que serviram de impulso inicial ao investimento em profissionalização. O resultado desse esforço é inequívoco: hoje, a Cavaletti é referência no mercado moveleiro e líder na produção de cadeiras para escritório no Brasil – com mais de 2,5 mil unidades fabricadas a cada dia. Muito dessa conquista vem da perseverança da família fundadora, que soube trilhar os passos de um sonho aparentemente impossível. Tudo começou em Maximiliano de Almeida, um pequeno município nos arredores de Erechim, onde os irmãos Cavaletti cresceram.

A primeira sede da empresa foi em um porão alugado da família Albertoni, nos altos da Avenida Maurício Cardoso, com menos de 30 m2. A nova sociedade, chamada Estofaria Erechim, começou de forma humilde: contava com apenas uma máquina de costura simples (sem motor), um martelo, um alicate de estofador e grampeadeira simples. Todo o processo era executado de forma artesanal. Entre as atividades estavam reformas de sofás, poltronas e assentos de carros. Como não havia outro meio de transportar os móveis, eles eram carregados nas costas. Mário e Gilmar, os fundadores, não tinham sequer idade para serem empresários, mas desde cedo aprenderam a importância da excelência dos produtos, seguindo o conselho da mãe: “Se é pra fazer algo que vá estragar logo, melhor não fazer”. Assim, uma simples costura exigia todo o esmero do mundo, com cada ponta da linha sendo amarrada para se manter firme – um cuidado que se se tornaria parte da cultura compartilhada por todos que trabalham na Cavaletti.

Em 1979, Jair Cavaletti, então com 19 anos, uniu-se ao negócio. Àquela altura, a Cavaletti já contava com sete colaboradores – mas sua estrutura era, ainda, rudimentar. Toda a atividade era manual, desde o corte até a solda, costura, pintura e montagem. As dificuldades se tornaram ainda maiores quando a empresa começou a vender também para outros estados. Os desafios industriais e logísticos eram grandes, mas inspiraram um aumento da estrutura – que se redistribuiu em três pavilhões. A partir de 1994, a Estofaria Erechim passou a se chamar Cavaletti Estofados para Escritório Ltda.

Um passo importante seria dado 1996, na contratação do primeiro engenheiro mecânico, Jairo Roque Benincá, que permanece até hoje como diretor de Engenharia e Sistemas. Desde então, a Cavaletti passou a utilizar ferramentas específicas de engenharia, como os softwares AutoCAD, e foram criados equipamentos e máquinas que viabilizaram o aumento da produtividade. Atualmente, a empresa opera no mesmo nível tecnológico high-end de desenvolvimento.

Nos anos 2000, a Cavaletti já se posicionava entre as maiores fábricas de cadeiras para escritório do Brasil. O problema é que sua marca ainda era associada a uma empresa de pequeno porte. Como resolver esse equívoco? A solução veio em um amplo diagnóstico sobre o real status da marca junto a todos os públicos, com o objetivo de buscar uma tradução consistente, capaz de representar com precisão a empresa e seu estágio de desenvolvimento. No processo de reposicionamento foram identificados os valores centrais que deveriam constituir a base de ações da marca Cavaletti dali em diante. A partir da identificação do cenário e dos objetivos da organização, foi criado um novo posicionamento que sintetizava o jeito de ser da empresa no slogan “Valor em fazer mais”. Assim, foram desenvolvidas a nova marca e a identidade visual, expandida para todas as aplicações do universo Cavaletti, que passou a se chamar Cavaletti S/A Cadeiras Profissionais.


A nova marca foi oficialmente apresentada ao mercado em março de 2008. A solução gráfica final preservou o nome e a cor vermelha originais, organizando-os em uma forma geométrica pura e precisa com o objetivo de representar a consolidação da empresa, que hoje é uma das maiores fabricantes de cadeiras do Brasil. Acompanhando a nova marca, foi estipulada uma completa revisão de todas as expressões visuais da Cavaletti – de etiquetas e catálogos até os caminhões e uniformes da equipe, que foram gradualmente implantadas. A ordem era clara: reforçar a mensagem em todos os momentos de contato com colaboradores, parceiros, clientes e mercado.

A Cavaletti foi uma das primeiras empresas do país a adotar o sistema robotizado – hoje, são sete robôs de soldagem, do mesmo tipo que produzem automóveis de última geração. Todos os processos industriais são assistidos por um time de profissionais que garantem a conformidade de cada cadeira aos rigorosos padrões de qualidade exigidos pela ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001. A própria Cavaletti se encarrega da produção de componentes metálicos, plásticos, espumas e outros itens – que chegam a compor, em média, 95% de cada produto.

No ano de 2013 a Cavaletti conquistou o Certificado Cerflor, um esquema nacional reconhecido pelo PEFC, com a finalidade de melhor identificar critérios e indicadores de sustentabilidade do manejo florestal, de modo a propiciar práticas que sejam ecologicamente adequadas, economicamente sustentáveis e socialmente justas. Uma organização certificada pelo PEFC também possui a certificação Cerflor, podendo assim utilizar seu selo para promoção e rótulos de produtos.

Hoje, a Cavaletti ocupa um moderno parque fabril no Distrito Industrial Irany Jayme Farina, às margens da BR-153, em Erechim. A automação é um dos diferenciais da fábrica, mas não é o único: a fórmula de sucesso dos produtos Cavaletti vem justamente da união entre a vanguarda tecnológica e o investimento em qualificação de pessoas. Para a Cavaletti, o importante são as pessoas, por isso a empresa possui uma série de programas e projetos sócioambientais e de sustentabilidade.